24

abril

2013

Indicação: Morte Súbita

Categorias: Marcela Goulart

Hey divas!

Sem Título-2 cópia

Você de certo já deve ter ouvido falar da J.K. Rowling. Se não ouvir falar da própria autora, você já deve ter ouvido sobre a série Harry Potter, livros escritos por ela.
Ano passado ela lançou um novo livro, chamado The Casual Vacancy. No Brasil passou a ser chamado de Morte Súbita e lançado pela Editora Nova Fronteira. Como uma boa potterhead e fã da tia Jô, eu não pude deixar de comprá-lo. Demorei um pouquinho, afinal achei o livro um absurdo de caro nas livrarias e nas lojas online, e esperei uma boa promoção para garantir o meu.
Comecei a leitura do livro no começo de fevereiro, e protelei o máximo que consegui para chegar ao final. Quando eu crio uma conexão com os personagens e a história tenho uma dó que o livro acabe, e com esse não foi diferente.
Meu maior medo era ler Morte Súbita e me arrepender, afinal quando você lê sete livros de uma mesma autora acaba se acostumando com aquela história.
No mundo de Harry Potter conhecemos Hogwarts e sua magia. No mundo de Morte Súbita conhecemos Pagford e sua realidade.
Com o passar do livro, você não consegue mais associar que ele pertence a mesma autora que escreveu Harry Potter, por serem livros tão distintos.
Me apaixonei pelo mundo de Pagford e pelos seus personagens tão intensos. No que precisamos de 7 livros de Harry Potter para conhecer seus personagens, bastam apenas 500 páginas de Morte Súbita para conhecermos profundamente os habitantes de Pagford com seus dramas.
O livro inicia com a morte subita de Barry Fairbrother que é membro do conselho local, o que gera uma vaga no conselho. A partir daí começa a disputa por essa vaga.
Intrigas e segredos vem a tona, expondo personalidades e revelando histórias surpreendentes.
O que achei muito interessante são os assuntos abordados no livro: de dependência de drogas a relacionamentos familiares conturbados. JK Rowling consegue nos descrever os eventos perfeitamente bem detalhados. Acho que essa é uma das qualidades dela, Joanne escreve tudo que precisamos saber sobre a cena/personagem o que nos transporta ao local e nos sentimos como se estivéssemos vivendo aquilo também.
Achei Morte Súbita muito bom, com uma narrativa excelente, personagens e história bem elaborada. Indico para todos que querem fugir do romance habitual do mocinho e da mocinha, e se envolver em um livro que nos mostra a realidade. Afinal, com certeza algum personagem pode te lembrar aquele membro distante da família  ou a vizinha da casa ao lado.
E pra quem já leu Morte Súbita, o que vocês acharam?
Xx
Marcela

0




Deixe o seu comentário: